G1 - Ciência e Saúde

Você está aqui

Subscrever feed G1 - Ciência e Saúde G1 - Ciência e Saúde
RSS do g1
Atualizado: 1 hora 30 minutos atrás

O que você acha de aderir ao fitness imunológico?

dom, 26/09/2021 - 06:00

Vacinas podem ser encaradas como mais um elemento para garantir um estilo de vida saudável O que é mais importante para você ter qualidade de vida nos próximos dez anos? A pergunta foi feita a 16 mil pessoas acima dos 50 anos, de oito países, entre eles o Brasil, e 94% cravaram boa saúde como resposta. O foco do levantamento, encomendado pela gigante farmacêutica GSK e realizado pelo instituto de pesquisa Kantar, era vacinação e envelhecimento saudável, e, se houve algum saldo positivo da pandemia, foi a valorização da saúde. Antes do novo coronavírus mudar a cara do século, 74% dos brasileiros consideravam o atributo muito importante; agora o percentual é de 85%, o mais alto entre os países pesquisados. Nos demais – Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Japão, Itália e Espanha – a média também subiu, passando de 65% para 76%. O Brasil ainda registrou uma alta notável da percepção sobre a relevância das vacinas: antes da pandemia, o percentual era de 59%, mas alcançou 83% na pesquisa, realizada nos meses de julho e agosto. Para Francesca Ceddia, vice-presidente global de assuntos médicos da GSK, as vacinas devem ser vistas como mais um elemento para garantir um estilo de vida saudável, assim como alimentação equilibrada, exercitar-se e não fumar: “a vacinação leva um estado de fitness imunológico, que ajuda a garantir resiliência física e independência por um período maior de nossas vidas”, declarou em coletiva realizada na quarta-feira. Produção de vacinas: imunização pode ser encarada como mais um elemento do estilo de vida saudável Ronstik para Pixabay Um dos dados curiosos da pesquisa aponta para uma espécie de “tensão” entre o que a ciência chama de velhice e a percepção que temos de nós mesmos. Diante da pergunta “do ponto de vista físico, com que idade você se sente?”, 50% dos brasileiros e alemães declararam que se sentiam mais jovens do que a sua idade cronológica, seguidos por norte-americanos (49%), espanhóis e canadenses (48%) e franceses (46%). Somente os japoneses foram modestos: apenas 23% se achavam mais jovens. Na verdade, ninguém se considera velho e essa é uma constatação que deveria pautar mudanças na abordagem do assunto – por exemplo, em vez de focar na necessidade de vacinar idosos, enfatizar seus benefícios, o que abrange todas as faixas etárias. Interessante é que o estudo mostra que os participantes têm consciência de que o sistema imunológico começa a declinar com o envelhecimento. Francesca Ceddia lembrou que a vacinação infantil foi responsável por prevenir doenças evitáveis em crianças e que o mesmo tem que ser feito em relação aos idosos: “os mais jovens, porque ainda não têm seu sistema imunológico completo, e os mais velhos, porque experimentam um declínio da sua imunidade, são os mais afetados, como mostram os números de pessoas acometidas por influenza. Depois do enorme avanço com o público infantil, temos que fazer o mesmo com o grupo sênior. Trata-se de uma prioridade de política pública de saúde”. Ela acrescentou que um quadro grave de gripe pode contribuir para uma ocorrência de evento cardiovascular: “as artérias ficam inflamadas, provocando seu estreitamento e aumentando o risco para pacientes que já têm uma placa obstrutiva. A vacinação reduz essa chance”. Também adiantou que vêm sendo estudadas alternativas para tornar as vacinas para idosos mais potentes, de forma a contornar o declínio do sistema imunológico: “estamos falando de estratégias como formulações com mais antígenos; com mais adjuvantes (que ajudam os antígenos a provocar respostas mais duráveis e poderosas); e de aplicação intradérmica (a mais comum é a intramuscular)”. E viva a ciência!
Categorias: Notícias de RSS

Nos EUA, homem com doença rara recebe rim transplantado do próprio marido

qui, 23/09/2021 - 11:27

O casal se conheceu no ano passado e, em agosto deste ano, um dos cônjuges doou um de seus rins ao outro. Imagem de divulgação de campanha para financiamento de Reid Alexander e Rafael Díaz Divulgação/GoFundMe Um casal do estado de Denver, nos Estados Unidos, compartilharam um rim, de acordo com uma reportagem da NBC. Reid Alexander, de 24 anos, recebeu um transplante de seu marido, Rafael Díaz. Mais de 40 mil pessoas esperam por um transplante de órgão no Brasil Alexander foi diagnosticado com Síndrome de Alport aos 17 anos. Essa doença causa ferimentos na parede dos rins, o que leva, eventualmente, a uma incapacidade do órgão de funcionar. É uma doença relativamente rara —afeta uma pessoa em cada 5.000 ou 10.000. Também pode causar problemas de visão e audição (Alexander usa aparelho auditivo). Em abril de 2020, ele soube que o funcionamento de seus rins estava no nível de 20%. Esse é o nível em que o paciente passa a precisar de um transplante. Enquanto o rim não chega, é preciso começar a planejar a diálise. Poucos meses depois, ele conheceu Díaz em um aplicativo de relacionamentos. Os dois se conheceram em agosto do ano passado. Pouco depois do começo da relação, Díaz quis ser testado como um possível doador. Em fevereiro deste ano, os rins de Alexander pioraram, e ele começou a fazer diálise. São sessões longas, que duram até 5 horas, e é preciso fazê-las três vezes por semana. Em abril, os dois se casaram. A saúde de Alexander piorou, e ele recebeu prioridade na lista de transplantes. Díaz, então, se submeteu a uma análise para ver se ele tinha compatibilidade para poder doar um de seus rins. O resultado foi positivo. Em agosto de 2021, Alexander recebeu um dos rins de seu marido. Os dois já receberam alta, e estão na casa dos pais de Alexander, no estado de Indiana, para se recuperar. Veja os vídeos mais assistidos do g1
Categorias: Notícias de RSS

Oficinas de teatro e dança com idosos vão virar espetáculos

qui, 23/09/2021 - 06:01

Atividades serão virtuais e as inscrições, abertas para participantes de todo o Brasil, começam amanhã Já tratei de ações que levam idosos a experimentar vivências artísticas como o Lata 65, tema da coluna de domingo, e o Opening Minds Through Art, mas ambas são estrangeiras. Por isso, fico feliz de poder apresentar uma iniciativa brasileira, aberta para participantes de todo o país e cujas inscrições ficarão abertas, a partir desta sexta, nesse link. Trata-se da “Mostra Sentidos – A Longevidade na Arte”, promovida pelo Sesc-SP, que oferece nove oficinas virtuais, todas gratuitas, para pessoas acima dos 60 anos. O evento já está em sua quinta edição, mas a atual terá um resultado diferente: as sessões serão filmadas e editadas, transformando-se em “espetáculos” que estarão disponíveis nas redes sociais da entidade de 9 a 12 de dezembro. Idosos em oficina de teatro com a Cia Hiato Divulgação Em 2020, foi feito um webdocumentário sobre a quarta edição que serviu de inspiração para expandir o projeto deste ano. O novo formato vai mostrar que os idosos não somente são tocados pelo aprendizado nas sessões dos workshops, mas também são capazes de criar e provocar a reflexão do público. As oficinas começarão em 1º. de outubro, Dia Internacional da Pessoa Idosa, criado para sensibilizar a sociedade para as questões do envelhecimento, e se encerrarão em 15 de novembro. Serão cinco de teatro e quatro de dança, todas dadas por expoentes em sua área. As vivências teatrais ficarão a cargo de atores da Cia Hiato, Cristian Beltrán, Andrea Zeppini, Ademir Apparício Júnior e Daiane Baumgartner. Luis Ferron, coreógrafo que acumula prêmios como o Rumos Itaú Cultural de 2006 e o APCA 2009, será um dos professores de dança, além de Gal Martins, Andrea Soares, Fagner Rodrigues e Andrea Capelli. Luis Ferron, responsável por uma das oficinas de dança da Mostra Sentidos, do Sesc-SP Clarissa Lambert Uma outra iniciativa estimulante é a das Fábricas de Cultura, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo. De acesso gratuito, elas disponibilizam inúmeras atividades, mas há um projeto especialmente dedicado a artistas com mais de 60 anos. Seu objetivo é revelar o talento de músicos e intérpretes que são frequentadores das unidades de Vila Curuçá, Sapopemba, Itaim Paulista, Parque Belém, Cidade Tiradentes e São Bernardo do Campo. A primeira seleção ocorreu durante 2020: as gravações foram feitas nos estúdios das instituições e os videoclipes já estão disponíveis no YouTube. Alguns talentos descobertos: Marco Antonio, cantando “Flor mais linda”; Fátima Moreno, interpretando “Grande amor”; e Laerte Marques, com o delicioso “Sushi com vatapá”. Outros clipes podem ser conferidos aqui. Marco Antonio cantando “Flor mais linda”: projeto Fábricas de Cultura Divulgação
Categorias: Notícias de RSS

Gente do campo: Johanna Döbereiner descobriu que plantas podem gerar seu próprio adubo interagindo com bactérias

qua, 22/09/2021 - 06:00

Técnica sustentável fez o Brasil reduzir o uso de fertilizantes químicos nas lavouras de soja, o que provocou economia US$ 2 bi por ano na cultura e ajudou a impulsionar o país como um dos maiores produtores do grão. Johanna Döbereiner no laboratório da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Divulgação Muito reconhecida pela comunidade acadêmica dentro e fora do país, Johanna Döbereiner é uma das cientistas que ajudaram o Brasil a se tornar um dos maiores produtores do agro. Nascida em 1924 na antiga Tchecoslováquia (hoje República Tcheca e a Eslováquia), imigrou para o Brasil em 1950, em meio à instabilidade e perdas deixadas pelo fim da Segunda Guerra Mundial na Europa. GENTE DO CAMPO: série do G1 apresenta pessoas inspiradoras do agro Por aqui, dedicou toda a sua vida à ciência, liderando pesquisas de microbiologia do solo a partir a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), até o final de sua vida, em 2000. Sempre com foco em sustentabilidade, em uma época em que o tema era pouco debatido, Johanna demonstrou que é possível eliminar o uso de adubos químicos poluentes e caros em culturas como a soja, aproveitando-se somente do que já existe na natureza. Mais especificamente das Bactérias Fixadoras de Nitrogênio, que são capazes de capturar o nitrogênio do ar, um adubo natural para as plantas. Esses seres vivos, que vivem no solo, nas folhas, nos caules, foram descobertos em 1901 pelo microbiologista Martinus Beijerinck. Johanna Döbereiner sempre focou em sustentabilidade, em uma época em que o tema era pouco debatido. Divulgação Mas foram os estudos de Johanna, a partir da década de 1950, que mostraram como usar as bactérias a serviço da agricultura, já que nem todas têm capacidade de transferir o nitrogênio para as plantas, explica a agrônoma Vera Baldani, aluna, colega de trabalho e amiga muito próxima da cientista. "A Johanna e os pesquisadores que embarcaram na ideia dela descobriram que as bactérias Rizóbio fazem uma simbiose perfeita com a soja: elas se alimentam da seiva da planta e, em troca, fornecem o nitrogênio para a soja. Uma tecnologia limpa", conta Vera. A técnica consiste em introduzir as bactérias nas sementes de soja, que, quando começam a germinar, produzem nódulos nas raízes da planta que funcionam como usinas para a extração de nitrogênio do ar. A fixação biológica de nitrogênio no plantio da soja gera uma economia de US$ 2 bilhões por ano com adubos químicos, diz Embrapa. Divulgação/Ascom Seagri Os estudos derrubaram a crença da época de que os fertilizantes químicos eram insubstituíveis. A descoberta, ao reduzir os custos de produção, ajudou a transformar a soja nacional em um dos principais produtos de exportação do Brasil. Estima-se, inclusive, que a fixação biológica de nitrogênio no plantio da soja gere uma economia de US$ 2 bilhões por ano com adubos químicos, segundo a Embrapa. Uma vida dedicada às bactérias Além da soja, Johanna liderou pesquisas sobre a fixação biológica de nitrogênio por palmáceas, como o dendezeiro. E descreveu a bactéria Beijerinckia fluminensis, que interage com a cana-de-açúcar, o que foi um de seus grandes feitos, conta a jornalista Kristina Michahelles, em seu livro "Johanna Döbereiner: uma vida dedicada à ciência". A cientista dizia que seu "insight "se deu a partir da observação de que a planta da cana-de-açúcar estava sempre verde, mantendo certa produção constante há séculos no país, mesmo em períodos secos, sem o uso de adubação especial. Johanna Döbereiner fala, em campo, sobre as pesquisas com a planta da cana-de-açúcar. Divulgação Além disso, Johanna coordenou estudos sobre as limitações da fixação de nitrogênio em leguminosas, como o feijão, nos quais Vera trabalhou. Ela foi também professora e orientadora de vários cientistas que hoje ocupam posição de destaque na pesquisa no Brasil. Tem mais de 500 títulos publicados, mais de 20 prêmios, além de uma indicação ao Prêmio Nobel de Química em 1997. Anos de turbulência na guerra Antes de fazer história na ciência, Johanna passou por duras perdas na Europa. Uma das principais foi a de sua mãe, Margarethe Kubelka, que morreu em um campo de concentração após o fim da Segunda Guerra, em 1945, como muitos sudetos, povos de origem alemã. Nascido austríaco, o pai de Johanna, Paul Kubelka, recebeu a cidadania tcheca em 1918, que foi anulada com a ocupação nazista no país, em 1939. A família se tornou alemã, mas "não tinham a menor simpatia pelos invasores", conta a jornalista Kristina. Paul, que era químico, foi constantemente espionado pela Gestapo, teve seus cursos proibidos da Universidade de Praga e ajudou amigos judeus a fugirem da perseguição nazista. Johanna Döbereiner Divulgação Com o fim da guerra, os pais de Johanna foram internados em um campo de trabalho forçado, enquanto ela conseguiu fugir para a Alemanha com seus avós paternos. Seu pai teve um destino diferente do sua mãe, e conseguiu escapar do campo de concentração para as terras alemãs. Da sua mãe, ficaram lembranças de uma mulher com ideias à frente de seu tempo: “Não devemos falar para a nossa filha que o seu destino será encontrar um marido. Devemos dizer à nossa filha que a sua vitória terá sido alcançada quando se orgulhar daquilo que realizou”, anotou Margarethe, em seu diário. Johanna Döbereiner Divulgação Com a Europa em escombros, o pai de Johanna imigrou em 1948 para o Brasil. A cientista, entretanto, só chegaria dois anos depois, após ter se formado em agronomia na Escola Superior Técnica de Munique, onde conheceu o seu esposo, o médico veterinário Jürgen Döbereiner, que a acompanhou na mudança de país. Nova pátria "A minha mãe viu o Brasil como o início de uma nova vida. Não tinha como voltar para Praga, que estava sob o comunismo, e a Alemanha não era o lar dela. Então ela abraçou o Brasil com tudo e aprendeu logo a língua", conta a filha mais velha de Johanna, Marlis Arkcoll. Johanna não perdeu mesmo tempo. Assim que chegou, fez contatos para conseguir trabalhar com pesquisa e, em menos de seis meses, já estava empregada no Instituto de Ecologia e Experimentação Agrícola (IEEA), precursor do que atualmente é a Embrapa Agrobiologia, em Seropédica, interior do Rio de Janeiro. Ela e seu esposo se naturalizaram brasileiros em 1956. Johanna Döbereiner em sua casa em em Seropédica, interior do Rio de Janeiro. Divulgação Quem abriu as portas para ela foi o pesquisador Álvaro Barcellos Fagundes, diretor do Serviço Nacional de Pesquisas Agronômicas, que tinha enorme interesse pelas aplicações práticas da fixação biológica de nitrogênio no solo por meio das bactérias. Foi em Seropédica também que Johanna e seu marido Jürgen fizeram morada e criaram seus três filhos: Marlis, Christian e Lorenz. Johanna Döbereiner com seu marido e filhos. Divulgação Olhares de filha e amiga Desde que entrou na pesquisa, Johanna não parou mais. Eram constantes as suas viagens para congressos e seminários, rememora Marlis. "Ela fez com que nós, filhos, nos tornássemos responsáveis bem cedo na vida. Ela viajava muito, em uma época que era difícil ver mulher viajando sozinha. Ela adora viajar, voltava com os olhos brilhando e com a mala cheia de presentinhos exóticos, sementes", conta Marlis,. Em casa, Johanna e Jürgen também faziam com que os que filhos só lessem em alemão e em inglês para que eles pudessem aprender outras línguas além do português na escola. Johanna Döbereiner no laboratório da Embrapa. Divulgação No laboratório, ela também era dinâmica, além de uma incansável questionadora, conta a pesquisadora Vera Baldani, amiga de toda uma vida de Johanna, que entrou na Embrapa em 1976. "Com ela não tinha meio termo, ela era bem direta. A gente discutia muito por causa de experimento, pesquisa, porque ela ensinava a gente a ser crítica. Era bastante exigente e enérgica. Mas também de um coração fantástico [...] Sabia quando tinha algo errado com a gente apenas com o olhar", conta Vera. Fora do laboratório, era comum que Vera e Johanna se reunissem para fazer tricô e ouvir música clássica. "A gente conversava de tudo, ciência, música, marido, filho. Nós tínhamos uma ligação muito forte, de mãe e filha", diz Vera. Últimos anos de vida Vera acompanhou ainda os primeiros sinais do Alzheimer que acometeu Johanna no início dos anos 90. "Mesmo com a doença, ela nunca deixou de ir para a Embrapa. Foi duro porque, naquela época, não se acreditava que as pessoas que trabalhavam tanto a mente teriam Alzheimer", conta Vera. A doença piorou com a trágica morte de seu filho mais novo, Lorenz, assinado em março de 1996, com um tiro disparado por um motoqueiro, em um sinal de trânsito em São Paulo, em circunstâncias que não foram esclarecidas até hoje. Johanna morreu quatro anos depois, com 75 anos, em 5 de outubro de 2000, por uma broncopneumonia causada por aspiração. Seu nome ressoa até hoje nas pesquisas de microbiologia do solo. E foi até imortalizado em suas companheiras de toda uma vida: as bactérias fixadoras de nitrogênio Cluconacetobacter johannae sp. e Azospirillum doebereinerae sp. Veja mais vídeos sobre agronegócio Veja 5 contribuições dos japoneses na agricultura brasileira Entenda como é o uso da espiritualidade na agricultura VÍDEO: Horta em casa - veja dicas de quem tentou e deu certo VÍDEOS: agroindústria da riqueza do Brasil ,
Categorias: Notícias de RSS

Atendimento deve englobar pacientes com demência e seus cuidadores

ter, 21/09/2021 - 06:00

Experiências em dois estados norte-americanos mostram que iniciativas interdisciplinares são as mais eficazes Hoje escrevo sobre duas experiências de serviços de saúde para idosos com demência e seus cuidadores, ambas de estados norte-americanos: Illinois e Havaí. As apresentações foram feitas semana passada, em evento on-line do Centro Nacional de Recursos para Alzheimer e Demência (NADRC em inglês), e me interessaram porque Illinois, embora seja um dos principais centros financeiros do país graças à cidade de Chicago, enfrenta, historicamente, um quadro de grande desigualdade social. Já o Havaí vive do turismo e tem o desafio de atender a uma população que se espalha entre as oito maiores ilhas do arquipélago. Temos pontos em comum com eles e sempre há a oportunidade de aprender. Phyllis Roat, coordenadora do Departamento de Envelhecimento de Illinois, também está à frente de um programa para combater a solidão entre idosos e promover ações para a criação de ambientes “amigos da demência” no estado. Explicou que o trabalho se baseia num tripé que reúne instituições com laços com a comunidade; serviços que atendam às necessidades das pessoas que vivem com demência; educação e suporte para os cuidadores. Paciente com demência e cuidadora: serviços devem atender aos dois, de forma interdisciplinar Alterio Feline para Pixabay Entre os programas que citou estão o de treinamento e manejo do estresse para os cuidadores informais; prevenção de quedas; contação de histórias, que estimula a criatividade das pessoas com demência, em vez de focar em sua memória; música e memória, que se constitui na elaboração de uma lista personalizada das músicas preferidas dos pacientes; e o Opening Minds Through Art, que já foi tema de coluna do blog. Para prevenir quedas, é utilizado o Otago Exercise Program, que consiste em 17 exercícios de força e equilíbrio, a serem feitos três vezes por semana, on-line ou presencialmente, individualmente ou em grupo, com a supervisão de um profissional especializado. Estudos mostram que os participantes, que depois vão sendo monitorados, apresentam uma redução das quedas entre 35% e 40%. Christy Nishita, pesquisadora do Centro de Envelhecimento da Universidade do Havaí, afirmou que o objetivo é garantir um atendimento centrado no paciente com demência e no seu cuidador. Nas visitas mensais às chamadas Clínicas da Memória, ambos passam por diversos especialistas que trabalham de forma interdisciplinar: geriatra, psicólogo, nutricionista, assistente social – todos com foco na qualidade de vida de ambos. Há também um programa no qual profissionais da saúde vão às casas para ajudar a “reconfigurar” o ambiente e as expectativas da família, tornando possível que muitos indivíduos em estágios iniciais da doença continuem a morar sozinhos. “Queremos tornar as pessoas e suas famílias mais capazes de lidar com a situação, evitando a institucionalização precoce”, afirmou.
Categorias: Notícias de RSS

Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional

dom, 19/09/2021 - 16:35

Testes clínicos promissores indicam que os psicodélicos podem se tornar tratamentos inovadores contra a depressão, transtorno de estresse pós-traumático e vício. Por que as drogas psicodélicas estão mais perto do mercado convencional Getty Images/BBC O aumento da permissão de uso de psicodélicos como terapia promete transformar a forma como vemos o extraordinário. Foi em 1971 que Rick Doblin usou LSD pela primeira vez. Era uma tarde de sábado na Flórida, em suas primeiras semanas na faculdade. Quatro anos haviam se passado depois do Verão do Amor - quando milhões de jovens invadiram São Francisco, Londres e outras cidades em meio a música e drogas -, mas os psicodélicos ainda circulavam pelo campus. LSD, ou Dietilamida de Ácido Lisérgico 25, é uma substância ardilosa. Imitando a morfologia da serotonina, ela bloqueia as sinapses dos receptores 5-HT2A do cérebro para acionar uma onda evidente de cognição: rupturas drásticas de visão, padrões de pensamento, crenças e emoções. Em uma hora, os efeitos da substância se manifestam. Surge uma sensação estranha, difícil de ser descrita. Formas e caleidoscópios podem surgir e dançar em sincronia. Poderão surgir conexões sinestésicas - quando você consegue ouvir ou sentir o gosto das cores. Dependendo da dose, no pico da droga você pode ser atirado para uma dimensão totalmente alterada: um lugar esquisito, cheio de entidades, cobras, desenhos atrás dos olhos, cadeias de DNA e uma admiração radicalmente ampliada de arte e estética. Ou algo muito mais sombrio. O mundo de Doblin zumbia, palpitava, cantarolava. Depois de flutuar pela cantina do campus, ele voltou para o dormitório para ter uma viagem interior. Observando seu amigo - também sob uso de LSD -, Doblin foi surpreendido por uma visão nova. Ele não só deduzia os pensamentos e emoções do colega. Doblin conseguia vê-los, claros como o dia. O conforto, bem-estar e o calor do seu amigo eram tão visíveis quanto seus braços e pernas. As experiências transformadoras são diferentes da maioria, mesmo das mais dramáticas. A ayahuasca, utilizada em rituais indígenas, tem sido estudada para dependência química e depressão Getty Images/BBC Doblin queria sentir-se livre. Ele estava se desfazendo. Na sua própria rotoscopia do LSD, Doblin havia voltado a ser criança - não mais um adulto - e o desequilíbrio entre as emoções e o intelecto que dirigia sua vida diária era sensível. Mas Doblin percebeu que ele se sentia assim por um motivo. E isso significava que ele não era estático. Ele podia mudar as coisas. Ele podia ser livre. Para o filósofo L. A. Paul, a experiência de Doblin pode ser descrita como "transformadora". Elas não são como a maioria das experiências, mesmo as mais dramáticas. O que as torna especiais é a forma como elas mudam uma pessoa: suas preferências, ideias e identidades são viradas do avesso. Quando Doblin fez sua primeira viagem, talvez ele não tivesse percebido que, no dia seguinte, ele não seria a mesma pessoa. Doblin depois soube que ele estava a caminho de algum lugar. Ele faria outras viagens - muitas das quais foram desestabilizadoras - mas divulgar o potencial terapêutico das drogas psicodélicas tornou-se a missão da sua vida. Hoje, Doblin é o executivo fundador de uma organização sem fins lucrativos chamada Associação Multidisciplinar para Estudos Psicodélicos (Maps, na sigla em inglês), cujo propósito é aproximar as drogas psicodélicas do uso mainstream (convencional) na medicina e em outros campos. A organização aconselha os cientistas a conduzir testes e obter financiamento, além de trabalhar em estreita colaboração com os órgãos reguladores. Os esforços de Doblin e de outras pessoas estão sendo finalmente recompensados. Nos últimos dez anos, drogas psicodélicas como o LSD, cogumelos mágicos, DMT, uma série de "remédios vegetais" - incluindo ayahuasca, iboga, sálvia alucinógena e peiote - e compostos relacionados, como MDMA e cetamina, começaram a perder grande parte do estigma adquirido na década de 1960. Testes clínicos promissores sugerem que os psicodélicos podem tornar-se tratamentos inovadores contra a depressão, transtorno de estresse pós-traumático e vício. Grande parte da comunidade psiquiátrica, em vez de mostrar-se depreciativa ou mesmo cética, tem reagido de forma receptiva. As drogas podem marcar a primeira mudança de paradigma neste campo desde os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRIs, na sigla em inglês) na década de 1980. Em 2017, por exemplo, a Agência reguladora de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) declarou o MDMA - o princípio ativo do ecstasy - como "terapia inovadora", o que significa que sua análise será acelerada para o segundo estágio dos testes de Fase 3. Doblin espera que o MDMA consiga a aprovação da FDA até 2023. Os psicodélicos permanecem sendo drogas do Anexo 1 em nível federal nos Estados Unidos e de Classe A no Reino Unido, mas as normas estão sendo flexibilizadas. Além da Áustria e da Espanha na União Europeia, os cogumelos de psilocibina foram descriminalizados em Washington DC e em uma série de outras cidades norte-americanas, além de terem sido legalizados para terapia em Oregon, onde o LSD também foi descriminalizado. Uma lei para descriminalizar o LSD e psilocibina na Califórnia foi aprovada em diversos estágios de comitê fundamentais e será votada no ano que vem. Uma votação para decidir sobre o financiamento federal de pesquisas com psicodélicos chegou recentemente ao Congresso dos Estados Unidos. Antecipando essa mudança, os pesquisadores e fornecedores clínicos de drogas psicodélicas vêm atraindo investimentos significativos. Relatórios comerciais descrevem "euforia com os psicodélicos" e "expansão dos cogumelos". Este fenômeno é conhecido como o "renascimento dos psicodélicos" - e promete mudanças na nossa sociedade que vão muito além dos tratamentos prescritos pelos médicos. Ao contrário de outras drogas, os psicodélicos podem alterar radicalmente a forma como as pessoas veem o mundo. Eles também trazem experiências místicas e alucinógenas que estão à margem da compreensão científica atual. Mas o que poderá acontecer se os psicodélicos se tornarem mainstream? Esta não é a primeira onda de entusiasmo pelos psicodélicos na psiquiatria. Eles foram anunciados pela primeira vez como remédios milagrosos na década de 1950. A psilocibina é um composto presente em cogumelos alucinógenos Getty Images/BBC Ao longo de cerca de 6 mil estudos com mais de 40 mil pacientes, os psicodélicos foram testados como tratamentos experimentais para uma enorme variedade de males: alcoolismo, depressão, esquizofrenia, reincidência criminal e autismo infantil. Os participantes incluíram artistas, escritores, criadores, engenheiros e cientistas. Os resultados foram promissores. Já a partir da primeira sessão de LSD, os estudos sugeriram que a droga aliviou problemas com bebida em 59% dos alcoólicos participantes. Em experimentos com doses menores, chamadas de "psicolíticas", muitos terapeutas ficaram surpresos com o poder do LSD como complemento à psicoterapia. Mas isso não duraria muito tempo. Em outubro de 1966, o LSD foi proibido na Califórnia. Restrições federais se seguiriam em 1970, com a Lei das Substâncias Controladas. Diversos rumores alarmantes chegaram às campanhas governamentais - queixas de lesões cromossômicas induzidas por LSD, bebês mutantes, que o registro de cinco, seis (ou sete) viagens tornaria você "legalmente insano" - e foram divulgados para crianças em idade escolar como Doblin (embora ele simplesmente ignorasse os avisos na época). Isso também afetou a ciência. Exceto por poucos grupos remanescentes no Canadá e nos Estados Unidos, todo o campo da ciência dos psicodélicos desapareceria por décadas. Os órgãos reguladores restringiram o acesso. Os financiadores perderam sua disposição. No alto da repressão nas décadas de 1970 e 1980, as tentativas de Doblin de iniciar pesquisas com psicodélicos levaram a portas fechadas e dificuldades reais de manutenção de empregos. A narrativa convencional relaciona a repressão à carreira de Timothy Leary, cientista de Harvard que se tornou o maior promotor de LSD da contracultura na segunda metade da década de 1960. Um escândalo no seu Projeto de Psilocibina de Harvard em 1963 - quando o seu codiretor foi acusado de desviar psilocibina para estudantes - marcaria os primeiros casos de reação mais sensacionalista na imprensa. Pouco depois, os órgãos reguladores ficariam mais preocupados com o uso de LSD como moeda no mercado negro "fora do laboratório", com grande colaboração do ativismo de Leary depois de Harvard - incluindo alegações de que o LSD daria "milhares de orgasmos" às mulheres e incentivaria revoluções contra as instituições. Mas esta não é a história completa. Alguns historiadores da medicina culpam a expansão da metodologia de Estudos Randomizados Controlados (RCT, na sigla em inglês) pela reação negativa. Esta é agora a forma padrão de condução de testes clínicos e sua introdução levantou dúvidas entre os órgãos reguladores sobre o verdadeiro caráter científico da "ciência dos psicodélicos". Os RCTs envolvem a comparação de dois grupos de pessoas: um que tomou e outro que não tomou a droga. Os participantes não podem saber em qual grupo estão, mas isso é difícil com substâncias psicodélicas. O Experimento da Sexta-Feira Santa de 1962 - que foi uma sessão promovida em uma igreja com estudantes seminaristas para testar a capacidade da psilocibina de induzir experiências místicas - é um exemplo ilustrativo. Metade dos pacientes recebeu a droga ativa e a outra metade recebeu placebo (todos em duplo cego), mas em 30 minutos já era evidente quem tinha recebido o quê. Os que receberam a droga vagueavam pelos campos em torpor visualizando Deus, segundo contou um dos participantes, enquanto o grupo que recebeu placebo (incluindo ele) apenas "entrelaçou os dedos e cantou os hinos". Entre os anos 1980 e a metade da década de 2000, foram observados sinais de mudança entre as reações negativas. Mas o recente renascimento dos psicodélicos escancarou as portas. Ele começou com um estudo emblemático da Universidade Johns Hopkins em 2006, liderado pelo cientista Roland Griffiths, que fez carreira estudando a cafeína. Griffiths e seus coautores tentaram reproduzir o Experimento da Sexta-Feira Santa, mais de 40 anos depois. Os resultados foram impressionantes. "É surpreendente", segundo Griffiths, "que 67% dos voluntários tenham avaliado a experiência com psilocibina como a experiência isolada mais significativa das suas vidas, ou como uma das cinco experiências mais significativas das suas vidas". Em outras palavras, comparável em intensidade com o casamento, nascimento de filhos, picos de carreira e outros rituais de passagem profundos. Embora os desafios da condução de testes clínicos extensos continuem presentes, os órgãos reguladores agora estão mais abertos para os resultados dos testes com psicodélicos do que no passado. As mudanças de valores culturais e do significado dos psicodélicos na última década foram surpreendentes. Enquanto isso, clínicas privadas começam a ser abertas em todo o mundo. A clínica Awakn, em Bristol (Inglaterra), oferece infusões de cetamina como tratamento contra a depressão, transtorno de estresse pós-traumático, distúrbios da alimentação e adicção; embora não seja um psicodélico clássico como o LSD, altas doses de cetamina podem ocasionar experiências visionárias poderosas com potencial terapêutico. Um retrato do químico suíço Albert Hoffman, que descobriu as propriedades alucinógenas do LSD em 1943 Getty Images/BBC Segundo os estudos dos antropólogos Tehseen Noorani e Joanna Steinhardt, "o entusiasmo pela cura com psicodélicos ainda é limitado. Mas as mudanças de valores culturais e do significado dos psicodélicos na última década foram surpreendentes." Se a tendência atual continuar, pode ser questão de tempo para que a psicoterapia assistida por psicodélicos receba o sinal verde dos órgãos reguladores. Será que, daqui a uma década, os hospitais e clínicas poderão manter Salas de Sessões Psicodélicas equipadas com almofadas, incenso, velas e pinturas? Os médicos prescreverão comprimidos de psilocibina ou LSD, fabricados por grandes empresas farmacêuticas, com efeitos colaterais que incluem "êxtase", "mudanças de crenças metafísicas" e "ataques agudos de pânico"? Poderemos ver a versão comercial das clínicas psicodélicas - talvez com nomes como "Pala", "Índigo" ou "Oásis"? É difícil saber quais serão os desdobramentos, mas, se o uso terapêutico dos psicodélicos tornar-se mais comum, este pode ser apenas o início de uma transformação significativa dos comportamentos culturais e científicos. A cultura dos psicodélicos O renascimento dos psicodélicos na medicina vem ocorrendo paralelamente à ampliação da cultura mainstream, algo que as drogas não experimentaram desde o início da década de 1960. Na Europa e na América do Norte, o uso recreativo está crescendo - o uso de LSD aumentou em 50% de 2015 a 2018 nos Estados Unidos - e os psicodélicos estão se popularizando como tema nos meios de comunicação, enquanto influenciadores e celebridades estão se revelando usuários e as drogas psicodélicas estão perdendo seu estigma de forma provavelmente nunca prevista pelos seus pioneiros. Essa presença no ambiente mainstream mudou as pessoas que estão tendo experiências psicodélicas, segundo Erik Davis, escritor e comentarista sobre psicodélicos de longa data. No século 20, os psicodélicos eram restritos a grupos alternativos: hippies, hackers, o Vale do Silício, comunidades espirituais, cultura rave e ambientalistas. Produção do chá de ayahuasca em igreja na Grande São Paulo; Brasil está à frente de estudos sobre potencial médico da bebida Reprodução/Fabio Flecha/BBC Mas atualmente o interesse vem de grupos inesperados: comunidades de bem-estar, cultura hip hop, a direita política, entusiastas de criptomoedas, comerciantes de Wall Street, financistas e pessoas comuns em busca de soluções para sua saúde mental. É possível que observemos em breve o surgimento dos efeitos na cultura mais ampla, como vimos na música, literatura, arte e política das décadas de 1960 e 1970. Mas é improvável que uma eventual cultura psicodélica tenha a mesma aparência - ou sensação, para os usuários de psicodélicos - porque o mundo em que vivemos agora é muito diferente. Para ajudar a entender o porquê, é possível basear-se em um conceito proposto pelo cientista social Ido Hartogsohn, denominado "collective set and setting" (comportamento e ambiente coletivo, em tradução livre). Uma parte da experiência com psicodélicos depende de fatores individuais imediatos - forma de pensar pessoal, o ambiente local ou a presença de outras pessoas. Mas as forças sociais mais amplas também causam impacto: o espírito da época, manchetes da imprensa e conversas culturais mais amplas. A década de 1960 tinha um "comportamento e ambiente coletivo" completamente diferente, em comparação com o momento atual. As pessoas não só viviam de forma diferente, mas também tinham experiências diferentes. Como uma mudança importante na sociedade, como, por exemplo, as mudanças climáticas, refletem-se nas experiências das pessoas? Examine as diferentes influências dos dias atuais. Tecnologia e inteligência artificial. Conflitos políticos. Uma sensação mais generalizada de que a sociedade está caminhando "na direção errada". Estado de vigilância. Um cientista que entrevistei já observou, em off, uma tendência crescente de viagens "apocalípticas", que não diminuiu durante as pressões gerais da Covid-19. Paralelamente, estão surgindo viagens "messiânicas": experiências em que as pessoas vislumbram o seu próprio papel salvador para realizar mudanças no sistema. Como as mudanças climáticas poderão alimentar as experiências das pessoas? Isso depende do indivíduo, mas, quando consumidas no contexto correto, as drogas podem ampliar significativamente a sua conexão com a natureza. Um dos exemplos mais famosos nesse sentido é o do cofundador da Extinction Rebellion, Gail Bradbrook, que se inspirou em uma experiência com iboga para iniciar o movimento. Por isso, um cientista social propôs o termo "ecodélico". Outro pesquisador entrevistado pela revista Vice levantou a ideia de trazer noções ambientalistas para as sessões com psicodélicos - a ideia é alavancar a capacidade de monopolização da mente para aumentar a relação com a natureza e até reduzir o ceticismo sobre as mudanças climáticas. Dose usada em estudo clínico com MDMA nos EUA; potencial para tratamento de estresse pós-traumático Reprodução/MAPS/BBC Experiência mística Abaixo da superfície, surge um efeito ainda mais radical. Tanto nos testes clínicos quanto no uso recreativo, os psicodélicos frequentemente produzem estados de "experiência mística" ou "dissolução do ego": picos de consciência caracterizados por contentamento e boa vontade, interconexão, sensação de "sagrado", possível "perda de si mesmo" ou até encontros com entidades espirituais e com Deus (ou deuses). O que acontece se mais pessoas começarem a ter essas experiências? E como poderemos compreender sua natureza melhor do que entendemos atualmente? Para os pesquisadores, a experiência mística é fundamental para a forma em que as drogas produzem esses resultados impressionantes. Isso é abordado a todo tempo em documentos e relatórios. Os estudos sugerem que, quanto maior a experiência mística, maior o benefício terapêutico alcançado. Cada vez surgem mais questionários para medir, rastrear e entender melhor a experiência mística. Mas a ciência e a psiquiatria vêm formulando suspeitas sobre a experiência mística há séculos. "Mesmo para o público, [experiência mística] é um nome horrível", segundo Matt Johnson, cientista de psicodélicos da Universidade Johns Hopkins, "porque 'místico' dá a ideia que você tem uma bola de cristal e está lançando um feitiço. Para algumas pessoas, a conotação é medieval." Isso significa que, apesar do papel das experiências espirituais no tecido cultural - que servem de base para manifestações da ciência, arte e religião há milênios -, elas foram cronicamente pouco estudadas. As pessoas relutam em compartilhar suas histórias devido ao risco de estigmatização, patologia ou diagnóstico. A perda do sentido de si próprio, por exemplo, pode ser diagnosticada como "despersonalização" e uma mudança transformadora das crenças espirituais pode ser interpretada como manifestação sutil de um colapso mental. Fora do uso psicodélico, mais pessoas tiveram experiências místicas do que você pode imaginar. Entre 1962 e 2009 - último ano com dados disponíveis - o número de americanos que relataram uma experiência mística durante a vida mais que dobrou e atingiu a metade da população. Com isso em mente, os pesquisadores podem precisar conseguir melhor compreensão de como elas funcionam e suas consequências. A noção de que existe um único tipo de experiência mística definido, por exemplo, está sendo questionada. Ambiente do congresso da Maps de 2017: público de evento foi de hippies a empresas interessadas em financiar pesquisas Reprodução/MAPS/BBC Não é óbvio como suas características centrais - o infinito, o sagrado, a atemporalidade, o contentamento - se encaixam. "Existem boas possibilidades de que elas ocorram juntas, mas só porque algumas coisas acontecem juntas, isso não significa que elas são parte da mesma coisa", afirma Johnson. Como indica o autor Jules Evans em A arte de perder o controle (em tradução livre do inglês), a característica de união da experiência mística clínica - o sentido de perda do ego, tornando-se "uno com o todo" - também omite metade do quadro. Um terço dos fumantes de DMT, 17% dos usuários de LSD e 12% dos usuários de psilocibina relatam encontros com entidades externas. Em rituais neoxamânicos com ayahuasca, daime e iboga, essas entidades são âncoras da experiência principal. Um paciente em um estudo sobre ayahuasca, por exemplo, descreveu um encontro típico: "Ele recebeu uma ninhada de ovos de polvo que foram postos dentro da sua cabeça. Ele interpretou isso como uma ocasião auspiciosa e escreveu que acreditava que os ovos simbolizavam uma fonte de sabedoria. Ele imediatamente reconheceu o polvo como um aliado do bem." Os psicodélicos são também frequentemente definidos pelas alucinações que eles causam (ou, mais precisamente, pseudoalucinações). Essas alucinações levaram os médicos, na primeira onda da década de 1950, a considerar LSD um "psicotomimético", ou droga que imita a psicose: uma decisão que faz sentido, devido à sua tendência de formar visões extraordinárias e ouvir vozes. Se as experiências alucinatórias chegarem ao mainstream, e não forem apenas desestigmatizadas, isso poderá representar uma mudança radical, segundo Erik Davis, pois elas são mais frequentemente associadas a condições patológicas, como a esquizofrenia. Ele sugere que este seria o ápice do atual movimento da "neurodiversidade", que reconhece condições como ouvir vozes ou autismo como diferenças em um espectro, e não como problemas discretos a serem resolvidos. Para Davis, a compreensão das experiências extraordinárias dos psicodélicos não deverá - e não pode - ser o único domínio da ciência. Algumas pessoas sugeriram que a literatura e a poesia podem ser um complemento útil para os questionários científicos. Outros convocaram teólogos para que também participem da discussão. Afinal, sem uma abordagem mais ampla, ele adverte que algumas pessoas podem passar por experiências estranhas que resistem a qualquer "modelo" - e que poderão agravar sua saúde mental, em vez de melhorá-la. Imagem de LSD; após décadas de 'portas fechadas' para estudos, pesquisadores avançam na investigação sobre uso terapêutico de psicodélicos Istock/BBC A necessidade de minimizar Os psicodélicos oferecem algo que poucas coisas conseguem: uma experiência muito além do que a nossa realidade diária poderia conceber ou esperar. Não está claro como o mercado mainstream lidará com isso. O mainstream terapêutico pode apresentar questões importantes para discussão, mas não se sabe se as instituições médicas podem lidar com elas sozinhas. "O interesse da indústria, especialmente para os médicos, é minimizar tudo isso. O que eles procuram é uma situação suavizante, curadora e restauradora", afirma Davis. Mas as experiências místicas, alucinógenas e transformadoras relacionadas a essas drogas podem causar mudanças muito maiores para muitas pessoas. "Os psicodélicos são como inquéritos filosóficos", explica Davis. "Mesmo se você não for uma pessoa filosófica, você subitamente precisa lidar [com isso] no dia seguinte. 'O que foi tudo aquilo? O que eu faço com isso? A mensagem que recebi para parar de beber álcool foi um vislumbre de realidade? Vou levar isso a sério? Isso me torna um louco?'" Para Rick Doblin - ainda em consequência daquela primeira viagem transformadora -, as possibilidades dos psicodélicos são profundas e vão além do ambiente clínico. Com sua organização Maps, ele pretende "legalizar os psicodélicos não apenas para os pacientes, mas para todos nós que lutamos com um mundo em ebulição... para tentar cuidar de não destruir tudo. Você poderá dizer que a estratégia é a medicalização. Mas este não é o objetivo final." Todo o conteúdo desta reportagem é fornecido somente como informação geral e não deverá ser considerado substituto para a orientação do seu médico ou de qualquer outro profissional de assistência médica. A BBC não é responsável por nenhum diagnóstico feito por usuários com base no conteúdo deste site. A BBC não é responsável pelo conteúdo de nenhum site externo relacionado, nem endossa nenhum produto ou serviço comercial mencionado ou anunciado em qualquer desses sites. Sempre consulte o seu médico no caso de qualquer preocupação com a sua saúde. Vídeos: Os mais assistidos do G1 nos últimos 7 dias
Categorias: Notícias de RSS

Pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia ajudam a avaliar riscos de extinção de crustáceos na Bacia do Rio Doce

dom, 19/09/2021 - 08:52

Estudos deram origem a um capítulo do 'Livro Vermelho da Biota Aquática do Rio Doce Ameaçada de Extinção Pós-Rompimento da Barragem de Fundão, Mariana, Minas Gerais'; acesse a obra. Crustáceos decápodes, como o Cardisoma guanhumi (caranguejo), foi o grupo de animais pesquisados pelos docentes da UFU Douglas F. R. Alves/Divulgação Um estudo inédito identificou o risco de extinção de espécies da Bacia Hidrográfica do Rio Doce. Dois professores do Instituto de Biologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) integram a equipe de pesquisadores que fizeram o diagnósticos. Das 13 espécies de crustáceos estudadas pelos docentes da UFU, 9 estão ameaçadas de extinção. A pesquisa, realizada por cientistas de diversas instituições, está reunida no 'Livro Vermelho da Biota Aquática do Rio Doce Ameaçada de Extinção Pós-Rompimento da Barragem de Fundão, Mariana, Minas Gerais', publicado em agosto deste ano. Com 273 páginas, ele está disponível gratuitamente para download. Veja no fim da matéria como acessar o conteúdo. O estudo A equipe avaliou o estado de conservação de 4 grupos de seres vivos aquáticos: crustáceos, efemerópteros, odonatos e peixes, na área afetada pela lama com rejeitos de minério de ferro, derramada após o rompimento da barragem de Fundão, em 2015. Ariádine Cristine de Almeida e Giuliano Buzá Jacobucci, ambos pesquisadores do Laboratório de Ecologia de Ecossistemas Aquáticos (LEEA) do Instituto de Biologia da UFU, foram convidados para a avaliação dos crustáceos decápodes, aqueles que têm 10 pés, como o caranguejo e o camarão, em função das experiências que acumulam em estudos ecológicos com espécies desse grupo. “Há 14 anos venho desenvolvendo investigações com ênfase na variação espacial e temporal da abundância, estrutura populacional e reprodução destes animais, sendo os últimos 8 anos dedicados, especialmente, aos crustáceos decápodes de água doce. Já o professor Giuliano tem se dedicado a estes estudos nos últimos 10 anos, aproximadamente.”, disse Ariádine Almeida. A docente destacou que camarões, caranguejos, siris e lagostas são os principais representantes dos crustáceos decápodes. “De maneira geral, as espécies deste grupo apresentam relevância para o equilíbrio dos ecossistemas aquáticos, incluindo espécies bioturbadoras do sedimento [que revolvem o sedimento enquanto se enterram ou se alimentam], que modificam a disponibilidade de recursos para outros níveis tróficos, e bioindicadoras de qualidade ambiental”, explicou ela. Ou seja, a presença desses animais é fundamental para a sobrevivência de outros. Macrobrachium carcinus (camarão) está ameaçado de extinção na Bacia do Rio Doce Douglas F. R. Alves/Divulgação Conforme o estudo, das 13 espécies desses crustáceos, 9 encontram-se ameaçadas de extinção na Bacia Hidrográfica do Rio Doce. São 3 espécies de caranguejos (Cardisoma guanhumi, Minuca victoriana e Ucides cordatus) e 6 espécies de camarões (Atya scabra, Macrobrachium acanthurus, M. olfersii, M. carcinus, Palaemon pandaliformes e Potimirim potimirim). Dentre estas, 6 espécies foram classificadas como “em Perigo” e 3 como “criticamente em perigo”. “Além disso, do total de 13 espécies avaliadas, 6 têm importância econômica para fins comerciais e de subsistência das populações ribeirinhas e caiçaras, em diferentes intensidades, sendo os caranguejos guaiamum e uçá os de maior relevância. Logo, os impactos causados pelo rompimento da barragem, com deposição de sedimento e alteração da qualidade da água por metais pesados e resíduos químicos, interferem no ciclo de vida destas espécies, resultando em prejuízos ao ambiente e à sociedade”, acrescentou a bióloga. O estudo teve origem no acordo de cooperação técnica entre a Fundação Renova e a Biodiversitas, fundação de conservação da biodiversidade e gestão ambiental. A Fundação Renova foi criada a partir do compromisso das duas maiores mineradoras do mundo, a brasileira Vale S.A. e a anglo-australiana BHP Billiton, para reparar os danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, que acomodava os rejeitos de minério de ferro de uma mina de propriedade da Samarco, empresa da Vale e da BHP. A bacia A área de drenagem da bacia do rio Doce abrange os estados de Minas Gerais (86%) e Espírito Santo (14%). Situada na Mata Atlântica, é a quinta maior bacia do país, com uma área de drenagem de cerca de 83.400 km². Conforme o histórico presente na publicação resultante das pesquisas, a bacia vem sendo impactada por diversas causas desde a década de 1930, como a retirada da vegetação e o consequente processo de erosão e assoreamento. A situação foi agravada com o rompimento da barragem de rejeitos de minério de ferro no dia 5 de novembro de 2015, no subdistrito de Bento Rodrigues, localizado a 35 km do centro do município mineiro de Mariana. Foram liberados cerca de 39,2 bilhões de m³ de rejeitos que causaram, da barragem até a foz do rio Doce, no estado do Espírito Santo, diversos danos ambientais. A pesquisa O trabalho realizado pelos pesquisadores da UFU teve início em novembro de 2019. Nesta fase, os pesquisadores receberam, das fundações Renova e Biodiversitas e da Câmara Técnica de Conservação e Biodiversidade (CTBio), o acesso aos dados das espécies previamente selecionadas, com possível ocorrência na área impactada pelo rejeito para a avaliação do grau de ameaça e a proposição de medidas conservacionistas. “Esses dados incluíram informações sobre taxonomia, biologia, ecologia e distribuição geográfica. Após análise, nos reunimos com os demais integrantes do grupo de especialistas para discussão e complementação de tais dados, obtendo ao final uma classificação das espécies segundo os critérios e as categorias da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN)”, informa a docente. O trabalho dos especialistas foi encerrado em janeiro de 2020, com a redação e submissão final do capítulo 'Crustáceos ameaçados de extinção na bacia do rio Doce publicado no Livro Vermelho'. Ucides cordatus (caranguejo) também está na lista de animais em extinção na área atingida pela lama com rejeitos Douglas F. R. Alves Soluções propostas Ariádine Almeida afirmou que, dentre as diversas medidas apresentadas no Livro Vermelho, recomenda-se o mapeamento detalhado e a realização de novos inventários na bacia do Rio Doce e ao longo da costa, principalmente no estado do Espírito Santo, bem como em bacias e regiões ainda desconhecidas ou pouco investigadas. “Aliado a isso, é fundamental a realização de estudos sobre a dinâmica populacional e diversidade genética, bem como a avaliação de capacidade de suporte dos estoques populacionais das espécies, principalmente daquelas de valor comercial”, disse. “Também deve-se considerar estudos sobre o impacto do represamento dos corpos d’água nas populações das espécies, além de estudos prévios e adequados para a construção de novas barragens e represamentos de modo que os cursos naturais de rios e estuários sejam minimamente afetados, bem como a manutenção da qualidade do habitat desses ambientes e daqueles em que tais construções já estão presentes”, acrescentou. Outro aspecto apontado foi a necessidade de monitoramentos populacionais de longo prazo, além do diagnóstico e monitoramento sobre o dano genocitotóxico (tóxico para as informações genéticas e células) das populações de crustáceos decápodes afetadas. “Finalmente, deve-se oportunizar o cultivo das espécies em condições laboratoriais a fim de favorecer o repovoamento em locais com redução populacional drástica, bem como subsidiar a aquicultura a fim de evitar a retirada indiscriminada de espécies economicamente viáveis diretamente da natureza, buscando-se assim contribuir efetivamente em ações conservacionistas e de desenvolvimento sustentável”, finalizou a pesquisadora. Para acessar o capítulo escrito pelos pesquisadores da UFU e também todo o conteúdo do livro basta clicar aqui. VÍDEOS: veja tudo sobre o Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas
Categorias: Notícias de RSS

Lata 65 transforma idosos em grafiteiros

dom, 19/09/2021 - 06:00

Oficina de arte urbana criada em Portugal é inspiradora e já teve edição brasileira Eles estão de volta para servir de inspiração para todos nós! Depois de uma longa quarentena, o Lata 65 voltou em setembro a reunir idosos para grafitar. Pena que essa oficina de arte urbana ocorra em Portugal, apesar de já ter tido uma experiência em São Paulo, em 2015, e também na Espanha, no Reino Unido e nos Estados Unidos. O projeto nasceu em 2012 pelas mãos de Lara Seixo Rodrigues que, depois de trabalhar dez anos em arquitetura, decidiu mudar de ramo. Foi cofundadora do Wool Covilhã Artte Urbana, um festival que aproveitou os edifícios históricos da pequena cidade de Covilhã para servirem de espaços para intervenções artísticas, e ali percebeu que os mais velhos eram os que demonstravam maior curiosidade em relação aos grafites. Aula teórica dos alunos do Lata 65: noções sobre arte urbana e grafite Divulgação: Mariana Vasconcelos “Essa retomada foi muito esperada, porque sabemos das deficiências e lacunas que existem no cuidado com o idoso. Nosso objetivo é alcançar o maior número possível de pessoas”, me contou por e-mail. Sobre a experiência no Brasil, no Sesc Santana, Lara diz guardar ótimas lembranças: “estaremos sempre disponíveis para voltar e mostrar a magia que é o Lata 65. Queremos disseminar o projeto pelo mundo, ele já demonstrou, de forma singular, como é capaz de estimular o desenvolvimento físico e cognitivo”. Aluna desenha para depois criar estêncil que será grafitado Divulgação: Mariana Vasconcelos As oficinas para os 65 mais se estruturam em duas etapas. A primeira parte é teórica e trata da história da arte urbana e de técnicas do grafite. A segunda é prática: os idosos desenham, elaboram o estêncil – técnica para criar pranchas com as imagens vazadas por onde passará a tinta – e, por fim, se aventuram com as latas de sprays numa parede reservada para a atividade. Esses “grafiteiros” de primeira viagem são incentivados pelos monitores a desenhar e pintar o que quiserem: rostos, mãos, flores, o objetivo é mostrar que podem dar asas à imaginação. A própria logomarca do projeto foi criada por uma partipante. A maioria é composta por mulheres e está na faixa dos 70 anos, mas o mais velho tinha 102 anos. Sair da zona de conforto, romper barreiras, ousar, tudo isso misturado com uma bela experiência de convivência entre gerações – meu desejo é que outras edições do Lata 65 aconteçam no Brasil e ajudem a ressignificar a velhice. Grafiteiros 65 mais e sua obra coletiva: uma inspiração Divulgação: Mariana Vasconcelos
Categorias: Notícias de RSS

Criança pode ser vegetariana? Veja o que dizem os especialistas e quais cuidados adotar

sab, 18/09/2021 - 05:00

Segundo sociedades de pediatria, alguns nutrientes e minerais importantes podem ficar de fora de uma dieta sem carne e é preciso orientação profissional. Panqueca de couve-flor e couve-flor assada com legumes; pratos feitos pela chef Katty Zapata Katty Zapata Quanto maior a variedade dos grupos alimentares que crianças e adolescentes consomem, menor o risco de desenvolverem deficiências nutricionais que irão interferir em seu desenvolvimento. Desde que seja bem balanceada, uma dieta vegetariana pode promover o crescimento adequado. Contudo, é preciso moderação e ponderação na hora de se adotar qualquer dieta restritiva na infância. O alerta é da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que segue as diretrizes da Associação Dietética Americana (ADA), Academia Americana de Pediatria (AAP) e Sociedade Canadense de Pediatria (SCP) sobre vegetarianismo infantil. Criança rejeita carne aos 6 anos e faz toda a família virar vegana em SP Isso porque, se por um lado uma dieta vegetariana tem menores quantidades energéticas e proporção de gorduras saturadas por refeição, além de maior teor de fibras, frutas e vegetais, por outro, o não consumo de alimentos de origem animal podem contribuir para menor ingestão de ferro, vitamina B12, cálcio e zinco. (entenda a importância abaixo) "Devemos ter mais cuidado quando se trata de crianças e qualquer dieta restritiva deve ser realizada de forma responsável para que não comprometa o futuro delas", afirma a pediatra nutróloga Cláudia Bezerra de Almeida, responsável pelo Ambulatório de Nutrologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O vegetariano é, por definição da SBP, o indivíduo que não come nenhum tipo de carne, aves, peixes e seus derivados, podendo ou não utilizar laticínios ou ovos. Porém, nem toda dieta sem a proteína animal é igual e pode ser classificada de acordo com o consumo de subprodutos animais (ovos e laticínios) em: Ovolactovegetariano: utiliza ovos, leite e laticínios na alimentação; Lactovegetariano: não utiliza ovos, mas faz uso de leite e laticínios; Ovovegetariano: não utiliza laticínios, mas consome ovos; Vegetariano: não utiliza nenhum derivado animal na sua alimentação Vegano: não utiliza qualquer alimento derivado de animal na sua alimentação, nem produtos ou roupas contendo estes alimentos Cuidados e suplementação Tanto a sociedade pediátrica brasileira, quanto a americana e a canadense alertam que crianças e adolescentes vegetarianos são mais vulneráveis a desenvolverem deficiência de nutrientes e, por isso, não é tão simples quanto parece seguir uma dieta com restrição: a criança e a família precisam ser acompanhados por um profissional da nutrição. "Nos últimos tempos, tenho visto alguns pais iniciando dietas vegetarianas para crianças pequenas confiando nas mídias sociais, ao invés de procurar profissionais especializados, e chegam crianças com deficiências nutricionais graves e muitas vezes irreversíveis", alerta Almeida. Idosa de 90 anos completa 60 deles sendo vegetariana: 'Não fico doente' O que aconteceria na economia global se todos virassem vegetarianos Outra questão importante, segundo o pediatra Julio Sérgio Marchini, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), é a necessidade, nos casos em que ocorre deficiência de nutrientes, de se fazer suplementação. "A criança que não come carne deve passar por exames de rotina periódicos e receber suplementação, principalmente com relação à vitamina B12, que não existe nas fontes alimentares vegetais", afirma Marchini. A vitamina B12 é vital para a formação do sangue e o funcionamento do sistema nervoso e a sua falta pode causar anemia e deficiências neurológicas. Carnes e peixes são fontes da vitamina, e as opções de substituição para vegetarianos costumam ser os alimentos enriquecidos como cereais, extratos de levedura e substitutos de carne. Deficiência de vitamina D e B12 são causas físicas da depressão Os riscos da moda de injetar vitaminas diretamente nas veias Por outro lado, quando bem balanceada, a dieta vegetariana costuma ser rica em ácido fólico: nutriente envolvido na síntese de material genético, que atua como coenzima no metabolismo de aminoácidos. O ácido fólico ajuda no crescimento e na imunidade contra infecções. As melhores fontes são os feijões e folhas verdes escuras. Além da orientação de um profissional, Marchini destaca outro fator que auxiliará a criança a se manter saudável em uma dieta sem proteínas de origem animal: ter passado pelo período mínimo de seis meses de aleitamento materno. "Se a criança tiver cumprido previamente o período de aleitamento materno e tiver uma orientação nutricional, não vejo problema se não comer carne. Reforço que o aleitamento materno não tem substituto", diz o pediatra, reforçando que mesmo assim ainda é preciso acompanhamento. Por isso, mulheres que estão amamentando precisam garantir que estão consumindo a quantidade suficiente de vitamina B12 para passar ao filho através do leite materno. Nutrientes para ficar atento Além da vitamina B12, existem outros nutrientes rico nas carnes e peixe que as famílias de vegetarianos devem ficar atentos. "Quando não recebem orientação especializada, as crianças que não consome carne, assim como filhos de mães vegetarianas desde a gestação, têm maior risco para deficiências de vitaminas e minerais como a vitamina B12, o zinco, o iodo, o ferro e o cálcio. A ingestão inadequada nessas crianças pode levar a deficiências nutricionais graves e consequências a longo prazo. Cabe destacar o atraso cognitivo, a baixa estatura, a alteração do apetite e a anemia", explica Almeida. Os nutrientes geralmente baixos neste tipo de dieta: Ferro: tem como função o transporte e reserva de oxigênio, desempenho cognitivo, função imunológica. A carência pode causar anemia ferropriva e é prejudicial ao crescimento e desenvolvimento físico e mental. A melhor fonte de ferro é a carne vermelha, mas também é encontrada nos feijões e nas folhas verdes escuras. Zinco: importante para a imunidade. Falta de zinco está relacionada ao retardo da maturação sexual, retardo do crescimento e queda de cabelo. A melhor fonte é carne, frango e peixe, mas também há zinco em semente de abóbora, gema de ovo e castanha de caju. Iodo: tem como função a síntese dos hormônios tireoidianos T3 e T4. A carência está relacionada com o bócio, cretinismo, retardo mental irreversível. Fonte natural é a água do mar, por isso os peixes marinhos têm iodo, mas o que consumimos no sal iodado costuma ser o suficiente. Vitamina A: é antioxidante e atua no crescimento e desenvolvimento, na manutenção das células da pele e das mucosas e ajuda no sistema imunológico. Também é importante para a saúde dos olhos. A carência provoca diminuição no crescimento, falta de apetite e cegueira noturna. Entre as fontes estão a carne, fígado e ovo de galinha, mas também está nos vegetais e frutas de cor alaranjada como cenoura, abobora e manga. Por que a recusa Não há dados sobre a quantidade de crianças e adolescentes vegetarianos no Brasil, mas uma pesquisa do Ipec publicada em agosto revelou que quase metade dos brasileiros, 46%, já deixam de comer carne uma vez por semana por vontade própria. A pesquisa não ouviu menores de 16 anos, mas, segundo Almeida, tem se tornado comum atender famílias com crianças que rejeitam ou que não comem carne por algum outro motivo. "Tenho observado uma alta frequência de crianças que não querem comer carne", conta Almeida. Além do fator escolha consciente no caso de crianças maiores e adolescentes, que não comem carne por dó do animal ou por alguma convicção sua ou da família, a pediatra relata que a recusa a comer carne pode ser o início de um transtorno alimentar. Por isso, é recomendado identificar o que motivou a criança a iniciar este comportamento. "Devemos observar se a recusa é apenas uma preferência da criança quanto ao paladar, ou se existe dificuldade em lidar com a textura da carne podendo estar relacionada com dificuldades sensoriais ou de oclusão, por exemplo. A recusa também pode ter origem comportamental, podendo estar associada a alguma experiência negativa com o alimento, mas também pode ser apenas uma recusa transitória, comum em crianças de 1 a 3 anos", diz a pediatra nutróloga da Unifesp.
Categorias: Notícias de RSS

Ipen anuncia suspensão de produção de insumos para tratamento de câncer no Brasil por falta de verba federal

qui, 16/09/2021 - 19:37

O órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia afirmou que teve grande corte de verba em 2021 e precisa de R$ 89,7 milhões para continuar produção até dezembro, por causa da alta do preço do dólar na importação de material. Verba extra ainda não foi aprovada no Congresso Nacional. Exame de ressonância magnética muitas vezes é único caminho para o diagnóstico de algumas doenças no Brasil Reprodução/EPTV O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTI) do governo federal, anunciou na terça-feira (14) a suspensão da produção de produtos radiofármacos e radioisótopos usados para o tratamento de câncer no Brasil a partir da próxima segunda-feira (20). Em comunicado enviado aos serviços de medicina nuclear brasileiros que compram os produtos do Ipen, o órgão afirmou que teve grande corte no orçamento federal em 2021 e precisa de R$ 89,7 milhões para continuar a produção dos insumos até o fim de dezembro deste ano, por causa da alta do preço do dólar para importação de material. A verba adicional, entretanto, ainda não foi aprovada no Congresso Nacional, segundo o comunicado. “Enfrentamos a grande redução dos recursos atribuídos pela Lei Orçamentária Anual (LOA) à CNEN e à forte e desfavorável variação cambial, em 2021. Visando à recomposição dessas perdas orçamentárias, o IPEN-CNEN, com o apoio do MCTI, trabalharam fortemente junto ao Ministério da Economia (ME), desde o 1° semestre deste ano. Entretanto, esses créditos suplementares de R$ 89,7 milhões, programados na forma de Projeto de Lei, necessitam de aprovação no Congresso Nacional e sanção da Presidência da República”, disse o instituto. “O fato desses recursos orçamentários extras ainda não estarem disponíveis no Instituto, até o momento, implica na inexistência de lastro em crédito orçamentário. Nesse sentido, a impossibilidade nas aquisições e contratações pelo IPEN-CNEN, implicará na suspensão temporária da produção dos geradores de 99Mo/99mTc e dos radiofármacos provenientes de iodo-131, gálio-67, tálio-201 e lutécio-177, dentre outros, a partir de 20/09/2021”, afirmou o comunicado da entidade. Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), o Ipen fornece 85% dos radiofármacos e radioisótopos utilizados no país. A suspensão na produção vai afetar diretamente o tratamento de câncer no Brasil e o diagnóstico da doenças, já que os materiais do Ipen são utilizados no tratamento de câncer e em exames de imagem, como raio-x, tomografia, ressonância magnética, cintilogafia e mamografia, entre outros exames que são essenciais para o diagnóstico de doenças no Brasil. Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, durante visita ao Sirius, no CNPEM, em Campinas Ricardo Custódio / EPTV No comunicado enviado às clínicas e hospitais brasileiros, o Ipen reconheceu o problema e disse que já é do conhecimento do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTI), presidido pelo ministro astronauta Marcos Pontes. “O IPEN-CNEN, a CNEN e o MCTI entendem perfeitamente, de forma solidária, que a ausência temporária dos geradores de 99Mo/99mTc e dos radiofármacos aos hospitais e às clínicas no País, resultará em transtornos familiares de grande monta. Sobretudo, nos pacientes que necessitam de atendimento, e que têm seu procedimento de Medicina Nuclear interrompido, seja este pelo SUS ou via Sistema de Saúde Suplementar”, afirmou o instituto. Máquina de ressonância magnética quebrada aumenta fila de espera pelo exame em Bauru TV TEM/Reprodução Procurado pelo G1, o Ministério da Ciência e Tecnologia afirmou que “desde junho de 2021 vem trabalhando com o Ministério da Economia para a maior disponibilização de recursos para a produção de radiofármacos pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN)”. “Para a recomposição do orçamento do Instituto, o Governo Federal por meio do MCTI está sensibilizando o Congresso Nacional pela votação e aprovação do PLN 16/2021 prevista para a próxima semana”, disse a nota da pasta. O Ipen afirma que esgotou todas as possibilidades de diálogo com o governo federal para ter mais verba e não paralisar a produção, mas que não teve sucesso. “Acredita-se que essas instabilidades nas produções de radiofármacos sejam apenas por poucos dias, com a obtenção dos créditos orçamentários suplementares de R$ 89,7 milhões, ao IPEN-CNEN. (...) O IPEN-CNEN e a CNEN esgotaram todos os meios para que se evitasse a descontinuidade, recebendo inclusive assessoria da Advocacia Geral da União (AGU), nesse contexto”, declarou o comunicado do instituto. VÍDEOS: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana
Categorias: Notícias de RSS

Ideias para o atendimento da saúde em 2030

qui, 16/09/2021 - 06:00

Inteligência artificial pode ser usada para fazer curadoria das informações sobre os pacientes Que panorama esperar para a saúde em 2030? O que pode ser feito na próxima década para que todo o potencial da tecnologia da informação se converta no aperfeiçoamento do atendimento das pessoas? Essa era a pergunta a ser respondida no seminário on-line “Technology & data in 2030”, promovido pela revista “New England Journal of Medicine Catalyst” na semana passada. Mesmo que as questões não retratem a realidade brasileira – pelo menos a da maioria dos cidadãos, embora tenhamos ilhas de excelência que seguem os mais exigentes padrões internacionais – acho importante jogar luz sobre o que está sendo discutido lá fora para sabermos o que cobrar de gestores e governantes. Paciente internada: inteligência artificial pode ser usada para fazer curadoria das informações Parentingupstream para Pixabay A médica Amy Merlino, diretora do setor de informação da Cleveland Clinic, hospital centenário que está entre os cinco melhores dos EUA, foi enfática ao dizer que a tecnologia não é uma barreira à empatia, nem substitui o contato humano, mas é fundamental para melhorar o atendimento. “Temos que ampliar e consolidar a rede de informações sobre os pacientes, usando a inteligência artificial para fazer uma curadoria desses dados e filtrar o que é relevante”, afirmou, dando um exemplo fictício: “imaginemos Maria, de 30 anos, mãe de dois filhos, com um quadro de hipertensão na última gravidez, sobrepeso e uma leve depressão. Poderemos oferecer um aplicativo de monitoramento de bem-estar para acompanhá-la que, ao mesmo tempo, compartilhará as informações com os agentes de saúde. Esses poderão pedir exames de acordo com a situação descrita na interface do app e até encaminhar Maria para um especialista se notarem que ela tem um problema mais complexo. O desafio é buscar uma solução proativa para atender a todos e atuar na prevenção, e não esperar que cada um marque uma consulta. Acho que temos muito a aprender com os aplicativos de compras, que já proporcionam uma experiência mais abrangente aos consumidores”. Em junho, a mesma publicação havia realizado um debate com foco no paciente como consumidor, apontando para uma mudança impensável há 20 anos: a crescente adoção dos relatórios feitos pelos próprios pacientes sobre sua condição de saúde para auxiliar no monitoramento e na tomada de decisões relacionadas ao tratamento. Para um sistema que sempre foi centrado na figura do médico, é um grande passo. Há dois mecanismos de medição: “Experiência relatada pelo paciente” (“Patient reported experience”, ou Prem), que avalia a jornada do doente no hospital até a alta; e “Desfechos medidos pelo paciente” (“Patient reported outcome measure”, ou Prom), com informações coletadas depois da alta. Ambos têm como objetivo medir a qualidade da assistência dada e devem integrar o prontuário eletrônico da pessoa. Por que o Prom vem ganhando tanto destaque? Ele contempla perguntas sobre a qualidade de vida geral e funcional do paciente, como a capacidade de realizar atividades do dia a dia, além do efeito e eficácia do tratamento. São informações que medem dor, mobilidade, fadiga e até depressão e podem, inclusive, indicar a necessidade de reinternação. Estamos longe, mas é bom saber que há um caminho a ser seguido.
Categorias: Notícias de RSS

SpaceX no espaço: empresa de Elon Musk faz voo orbital

ter, 14/09/2021 - 20:44
Decolagem está prevista para as 21h desta quarta (15), acompanhe no G1. Tripulação de civis passará 3 dias dando voltas ao redor da Terra. SpaceX no espaço: empresa de Elon Musk faz voo orbital Decolagem está prevista para as 21h desta quarta (15), acompanhe no G1. Tripulação de civis passará 3 dias dando voltas ao redor da Terra. SpaceX, empresa de Elon Musk, também dono da Tesla, fará voo orbital. A decolagem está prevista para esta quarta (15), às 21h, e o retorno será daqui a 3 dias. O voo orbital é mais longo, diferente dos que Bezos e Branson fizeram. O foguete Falcon vai levar 4 pessoas, uma delas o bilionário Jared Isaacman. Musk não estará a bordo, diferente dos seus "rivais" Bezos e Branson
Categorias: Notícias de RSS

Brasil volta a ter média móvel acima de 500 mortes diárias por Covid após 6 dias

ter, 14/09/2021 - 20:00

País contabiliza 587.847 óbitos e 21.017.736 casos de coronavírus, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa com dados das secretarias de Saúde. Estado do AC não registrou novos casos nem mortes pela doença em 24 horas. O Brasil registrou nesta terça-feira (14) 709 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, com o total de óbitos chegando a 587.847 desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias ficou em 520 --voltando a ficar acima da marca de 500 após 6 dias. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -19% e segue apontando tendência de queda. Já são 22 dias seguidos com queda nesse comparativo. O aumento na média de mortes diárias para acima da marca de 500 é reflexo do feriado prolongado do início do mês. A média móvel atual considera os 7 dias logo após o feriado do Sete de Setembro. Como ocorre desde o início da pandemia, os dias posteriores a finais de semana estendidos trazem números maiores de casos e mortes que foram represados no feriado - o que resultou nessa subida na média. Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h desta terça. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. Evolução da média móvel de óbitos por Covid no Brasil nos últimos 14 dias. A variação percentual leva em conta a comparação entre os números das duas pontas do período Editoria de Arte/G1 Veja a sequência da última semana na média móvel: Quarta (8): 461 Quinta (9): 457 Sexta (10): 453 Sábado (11): 468 Domingo (12): 473 Segunda (13): 467 Terça (14): 520 Em 31 de julho o Brasil voltou a registrar média móvel de mortes abaixo de 1 mil, após um período de 191 dias seguidos com valores superiores. De 17 de março até 10 de maio, foram 55 dias seguidos com essa média móvel acima de 2 mil. No pior momento desse período, a média chegou ao recorde de 3.125, no dia 12 de abril. Cinco estados aparecem com tendência de alta nas mortes: RO, RN, RR, CE, PI. O estado do Acre não registrou novos casos nem mortes pela doença nas últimas 24 horas. Além disso, Piauí e Sergipe não registraram mortes em seus boletins do último dia. O estado de Roraima corrigiu para baixo o total de casos registrados na pandemia, caindo de 126.855 para 125.838. Segundo a secretaria estadual, a correção foi feita após a equipe notar duplicidade de registros vindos de outros estados. Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 21.017.736 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 12.672 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 15.165 diagnósticos por dia --o menor número registrado desde 20 de maio de 2020 (quando estava em 14.647). Isso resulta em uma variação de -33% em relação aos casos registrados na média há duas semanas, o que indica queda. Em seu pior momento a curva da média móvel chegou à marca de 77.295 novos casos diários, no dia 23 de junho deste ano. Mortes e casos de coronavírus no Brasil e nos estados Mortes e casos por cidade Veja como está a vacinação no seu estado Brasil, 14 de setembro Total de mortes: 587.847 Registro de mortes em 24 horas: 709 Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 520 (variação em 14 dias: -19%) Total de casos confirmados: 21.017.736 Registro de casos confirmados em 24 horas: 12.672 Média de novos casos nos últimos 7 dias: 15.165 (variação em 14 dias: -33%) Estados Em alta (5 estados): RO, RN, RR, CE, PI Em estabilidade (9 estados): SC, GO, PE, AP, RS, MT, RJ, PR, AC Em queda (12 estados e o DF): AL, PB, DF, ES, MG, SP, TO, MS, BA, PA, MA, SE, AM Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia). Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Vacinação Mais de 35% da população brasileira tomou a segunda dose ou a dose única e vacinas contra a Covid e, desse modo, completaram o esquema vacinal e estão totalmente imunizados. São 75.579.345 pessoas vacinadas, o que corresponde a 35,43% da população, segundo dados também reunidos pelo consórcio de imprensa. Os que estão parcialmente imunizados, ou seja, que apenas a primeira dose de vacinas, são 139.273.434 pessoas, o que corresponde a 65,29% da população. A dose de reforço foi aplicada em 152.679 pessoas (0,07% da população). Somando a primeira dose, a segunda, a única e a de reforço, são 215.009.699 doses aplicadas desde o começo da vacinação. Veja a situação nos estados Estados com mortes em alta Editoria de Arte/G1 Estados com mortes em estabilidade Editoria de Arte/G1 Estados com mortes em queda Editoria de Arte/G1 Sul PR: -12% RS: -6% SC: +6% Sudeste ES: -24% MG: -24% RJ: -9% SP: -32% Centro-Oeste DF: -23% GO: +6% MS: -42% MT: -6% Norte AC: 0% AM: -44% AP: 0% PA: -46% RO: +125% RR: +57% TO: -40% Nordeste AL: -17% BA: -43% CE: +23% MA: -61% PB: -17% PE: +2% PI: +23% RN: +64% SE: -90% Brasil Sul Sudeste Centro-Oeste Norte Nordeste a Consórcio de veículos de imprensa Os dados sobre casos e mortes de coronavírus no Brasil foram obtidos após uma parceria inédita entre G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal (saiba mais). VÍDEOS: mortes por Covid por município mês a mês Números de Covid no Brasil Editoria de Arte/G1
Categorias: Notícias de RSS

Combinação de tipos diferentes de vacinas contra a Covid pode ser vantajosa e gerar mais resposta

ter, 14/09/2021 - 16:23

Estudos apontam que combinar a vacina AstraZeneca com os imunizantes que utilizam a tecnologia de RNA mensageiro aumenta a resposta imune na comparação com o regime tradicional. Frascos com doses das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca e da CoronaVac Adriano Ishibashi/Framephoto/Estadão Conteúdo A falta de vacina AstraZeneca levou os estados do Rio de Janeiro e São Paulo a utilizar o imunizante da PFizer na aplicação da segunda dose na vacinação contra a Covid-19. Combinar vacinas de diferentes fabricantes é seguro e eficaz? Os estudos já divulgados sobre o tema apontam que, em determinados casos, a mistura pode sim ser vantajosa e gerar uma maior resposta imune. A estratégia de Rio de Janeiro e São Paulo é baseada justamente nos dois tipos de vacinas com mais resultados já conhecidos das pesquisas sobre a chamada "vacinação heteróloga" ou "intercambialidade de vacinas". Veja abaixo o que se sabe sobre o tema: Vacina com mais estudos sobre a combinação é a AstraZeneca, que usa a tecnologia de "vetor viral", ou seja, é baseada em um vírus modificado para introduzir parte do material genético do coronavírus no organismo e induzir a proteção; Pesquisadores da Universidade de Oxford investigam desde fevereiro de 2020 as combinações; Primeira pesquisa, batizada de "Com-COV1", a combinação AstraZeneca e Pfizer em 850 voluntários com mais de 50 anos; Combinação da 1ª dose de AstraZeneca com a 2ª da Pfizer gerou mais anticorpos e células T do que o regime completo com AstraZeneca; Na Espanha, estudo CombiVacs, do Instituto de Saúde Carlos III, reuniu 676 pessoas entre 18 e 59 anos. Os resultados divulgados em maio apontam que a mistura AstraZeneca e PFizer resultou em mais que o dobro dos anticorpos gerados por duas doses de AstraZeneca; Na Coreia do Sul, estudo com 499 profissionais de saúde, concluiu no final de julho que a combinação de AstraZeneca com Pfizer gerou níveis seis vezes maiores de anticorpos neutralizantes; Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel, de 66 anos, recebeu a 1ª dose de AstraZeneca e depois foi vacinada com a Moderna na segunda dose: objetivo era incentivar nova estratégia de vacinação após o país recomendar a AstraZeneca apenas para maiores de 60 anos. A Moderna também usa a tecnologia do RNA mensageiro (mRNA), capaz de codificar a proteína S da coroa do vírus, e o introduz no corpo com a ajuda de uma nanopartícula de gordura para induzir a proteção natural do corpo. Pesquisa na Dinamarca apontou que o regime AstraZeneca/PFizer reduziu em 88% o risco de infecção, número comparável aos 90% para o regime exclusivo da PFizer. No Brasil, desde o fim de junho as grávidas que tomaram AstraZeneca foram autorizadas a receber a Pfizer na segunda dose. Ministério da Saúde anunciou, em julho, um estudo para avaliar a necessidade de uma terceira dose para os vacinados com CoronaVac: o objetivo é avaliar eficácia da dose de reforço com um imunizante diferente. Resultados ainda não foram divulgados. Mistura com a Sputnik V Por causa de problemas no fornecimento da Sputnik V, países da América Latina precisaram adotar tática semelhante. O imunizante russo também utiliza o vetor viral. Na Argentina, a ministra da Saúde, Carla Vizzotti, anunciou no começo de agosto que os resultados preliminares indicavam resultados "satisfatórios" e "encorajadores" na combinação da Sputnik V com a AstraZeneca. Também houve testes com o imunizante da Sinopharm, mas até então os resultados não foram "conclusivos". (Abaixo, veja reportagem do Fantástico sobre países no mundo que já aplicavam doses de dois fabricantes) Novas pesquisas estudam combinação de vacinas
Categorias: Notícias de RSS

Brasil, Índia e África do Sul foram focos de surgimento de novas variantes do coronavírus até junho, aponta estudo

ter, 14/09/2021 - 14:58

Pesquisadores brasileiros constataram que, na Europa, uma nova linhagem do coronavírus era achada a cada 300 sequenciamento genéticos do Sars-CoV-2. Já na África e na América do Sul, essa taxa era de uma nova linhagem a cada cerca de 14 a 25 genomas. Uma garota passa de bicicleta por um mural de conscientização sobre o coronavírus em Chennai, na Índia, na segunda-feira (13). Arun Sankar / AFP Uma pesquisa liderada por cientistas brasileiros, publicada na semana passada na revista "Viruses", aponta que, do início da pandemia até junho deste ano, o Brasil, a Índia e a África do Sul foram focos de surgimento de novas variantes do coronavírus. Os pesquisadores chegaram à conclusão com um modelo matemático, que aplicaram sobre 1 milhão de sequenciamentos genéticos do coronavírus feitos em todo o mundo. É por meio do sequenciamento genético que cientistas encontram mutações e novas variantes do Sars-CoV-2. A partir do modelo, os pesquisadores brasileiros constataram que, na Europa, uma nova linhagem do coronavírus era achada a cada 300 sequenciamentos. Já na África e na América do Sul, essa taxa era de uma nova linhagem a cada cerca de 14 a 25 genomas. Isso significa que, por aqui e na África, as mutações foram muito mais comuns. "É como se eu fosse na Alemanha procurar o sobrenome Silva – vou fazer amostragem de milhares de indivíduos e encontrar dois. No Brasil, se eu fizer amostragem com 40 pessoas, vou encontrar 6, 8. As novas linhagens, as mutações em geral, são muito mais abundantes aqui", explica o virologista Fernando Spilki, autor sênior da pesquisa e professor na Universidade Feevale, no Rio Grande do Sul. O modelo precisou ser aplicado para tornar comparável a quantidade de sequenciamentos genômicos muito diferentes que os países ao redor do mundo fazem. O Reino Unido, por exemplo, é um dos países que mais sequenciam genomas. O Brasil sequencia pouco. No continente africano, de forma geral, o sequenciamento é mínimo. As maiores taxas de linhagens novas foram achadas justamente no Brasil, na África do Sul e na Índia –países que, no período analisado pelos pesquisadores, deram origem às variantes gama, beta e delta, respectivamente. Hoje, todas são consideradas variantes de preocupação pela Organização Mundial de Saúde (OMS). "São situações preocupantes. A coisa mais importante é as pessoas entenderem que há uma relação entre dar espaço para o vírus evoluir, sofrer mutações [e] ser selecionado para linhagens que têm capacidade maior de disseminação, por exemplo. No momento em que você tem esse espaço, você dá chance para o azar de gerar número mais alto de linhagens", esclarece Spilki. O surgimento de novas variantes ou linhagens do vírus pode fazer com que, por exemplo, ele se torne resistente às vacinas existentes hoje – ou cause uma doença mais grave. Até agora, as vacinas têm sido, de forma geral, eficazes contra as variantes que vêm surgindo – desde que a pessoa receba as duas doses (se for o caso). 00:00 / 19:13 Vigilância genômica e pouco controle Além de Brasil, África do Sul e Índia, países como Canadá e Japão também tiveram altas taxas de surgimento de variantes –mas é possível que, nesses casos, a seleção de amostras tenha sofrido um viés, porque existe uma tendência de sequenciar amostras de viajantes. Ou seja: várias linhagens novas eram encontradas, mas elas não surgiam dentro desses países por causa de um descontrole da pandemia – e sim vinham de pessoas de fora. "Os países têm uma vigilância genômica muito forte em viajantes que chegam do exterior – e por vezes você pode acabar gerando o artefato de uma diversidade maior, mas não é gerada no teu próprio país. É uma diversidade importada", avalia Spilki. É possível que esse tenha sido, também, o caso do Chile: o país aparece como tendo uma alta taxa de surgimento de variantes – até à frente do Brasil. "Existe essa possibilidade. A gente não tem o mesmo nível de informação [sobre o caso chileno]. O Chile teve uma série de questões de sistemas de vigilância e de defesa, que devem ter incluído também isso. Porque nos países em que a gente efetivamente encontra grande diversidade – Brasil, África do Sul e Índia – aí sabemos que uma boa parte dela é muito gerada dentro do próprio país", afirma o virologista. Ele lembra que, no caso do Brasil, não houve bloqueios para entrada de viajantes, por exemplo. Isso facilita o surgimento de variantes. "Tivemos poucos bloqueios para chegada de novas variantes – também influi na nossa conta. Sempre teve pessoas circulando", diz Spilki. "Nesses lugares, a gente deu espaço para que acontecesse. O mecanismo para frear isso sem dúvida era o distanciamento social, era o que nós tínhamos. Agora é a vacinação, e também o distanciamento", pontua o pesquisador. Veja VÍDEOS sobre as vacinas da Covid-19:
Categorias: Notícias de RSS

Dois objetos com mais de 10 mil anos são achados dentro do estômago de crocodilo nos EUA

ter, 14/09/2021 - 13:55

Segundo um geólogo, os artefatos são de nativos americanos que habitaram a região há cerca de 12 mil anos. O crocodilo levado pelo grupo de caçadores possuía 4 metros de comprimento Red Antler Processing | Reprodução Dois objetos com milhares de anos foram encontrados dentro do estômago de um crocodilo no estado do Mississippi, nos Estados Unidos. A verdadeira identificação dos itens foi revelada por um geólogo. Uma sucuri viva entre 9 milhões de cobras mortas: achado traz esperança para pesquisadora no Pantanal Queimadas mataram 17 milhões de animais vertebrados no Pantanal em 2020, aponta estudo Os objetos foram encontrados por Shane Smith, proprietário da Red Antler Processing, uma loja de artigos para caça, onde o crocodilo foi levado para ter sua pele e carne processada após ter sido capturado no início de setembro. Nos Estados Unidos, a caça selvagem é permitida em determinados locais mediante uma licença especial. No momento da descoberta, Smith não soube identificar o que eram os objetos, mas achou que eram interessantes o bastante para publicar uma foto no Facebook. "Estamos abrindo alguns crocodilos grandes para ver o que está dentro de seus estômagos. Até agora, todo mundo achou algo legal. O jacaré (...) de hoje, produziu o choque do ano!!", escreveu na publicação. Objetos foram encontrados dentro do estômago do crocodilo Red Antler Processing | Reprodução O geólogo James Starnes, conseguiu identificar os objetos com base em sua pesquisa em artefatos nativos americanos encontrados no Delta do Mississippi, informou a CNN americana. Segundo ele, trata-se de um prumo, que é um objeto de metal em forma de lágrima de uso desconhecido, e uma "ponta de dardo atlatl", que pode ser usado como lança ou dardo durante a caça. O especialista aponta que os nativos americanos que habitaram a região há cerca de 12 mil anos utilizam esse tipo de tecnologia em suas tarefas diárias. Além dos artefatos, também foram encontrados ossos e escamas de peixes, ossos de pequenos mamíferos, sementes de frutas e até mesmo pequenas rochas. Os caçadores estimam que o crocodilo tinha entre 80 e 100 anos quando foi abatido. Veja mais vídeos: VÍDEO: Tartaruga gigante ataca filhote de andorinha; vídeo evidencia prática da caça
Categorias: Notícias de RSS

Em queda, taxa da transmissão do novo coronavírus está em 0,81 no Brasil, aponta Imperial College

ter, 14/09/2021 - 13:42

Na última atualização, na semana passada, a taxa estava em 0,92. Imagens de microscópio mostram partículas do coronavírus que causam a Covid-19 retiradas de um paciente nos EUA NIAID-RML via AP A taxa de transmissão do novo coronavírus no Brasil caiu nesta semana, segundo o Imperial College de Londres. Na última atualização, na semana passada, a taxa estava em 0,92. Agora, está em 0,81. Isso quer dizer que atualmente, em tese, cada cem pessoas infectadas transmitem o vírus para outras oitenta e uma. Desde o dia vinte e nove de junho a taxa r está abaixo de um. Quando a taxa fica abaixo de um significa que a transmissão do coronavírus está desacelerando. Esta é a menor taxa desde novembro, quando o Brasil estava com o índice em 0,68. Simbolizado por Rt, o "ritmo de contágio" é um número que traduz o potencial de propagação de um vírus: quando ele é superior a 1, cada infectado transmite a doença para mais de uma pessoa e a doença avança. G1 no YouTube
Categorias: Notícias de RSS

Chile começa a vacinar crianças entre 6 e 12 anos contra a Covid-19 com CoronaVac

ter, 14/09/2021 - 11:06

País já aplica imunizante da Pfizer/BioNTech em crianças acima de 12 anos desde maio. No Brasil, o uso para essa faixa etária foi rejeitado pela Anvisa. Que vacina é essa? Coronavac O Chile se tornou na segunda-feira (13) o primeiro país da América do Sul a iniciar a vacinação contra a Covid-19 em crianças entre 6 e 12 anos. O imunizante utilizado é a CoronaVac, produzida pela chinesa Sinovac. Os primeiros a receberam a vacina no país são as crianças com comorbidades. As demais crianças começarão a ser imunizadas a partir de 26 de setembro. "As crianças também podem adoecer (de Covid). 12% dos casos que tivemos no país até metade do ano foram em menores de 18 anos", disse a subsecretária de Saúde Pública do Chile, Paula Daza. Vacinação de crianças: o que se sabe e o que está em prática no mundo CoronaVac é segura e eficaz em crianças a partir de 3 anos, diz estudo na China A agência reguladora de medicamentos do Chile aprovou no dia 6 o uso da CoronaVac em crianças com 6 anos ou mais. Cinco dos especialistas do conselho de avaliação convocado pelo Instituto de Saúde Pública (ISP) votaram a favor da administração da vacina em crianças de mais de 6 anos, dois votaram a favor de seu uso somente para aquelas de mais de 12 anos e um votou contra seu uso em crianças. Os imunizantes da Coronavac devem ser utilizados na aplicação de primeiras e segundas doses Miva Filho/SES-PE A CoronaVac também tem uma aprovação para uso de emergência em crianças na Indonésia e na China. No Brasil, o uso foi rejeitado pela Anvisa. O Chile já aprovou o uso da vacina da Pfizer/BioNTech para crianças acima de 12 anos, e mais de 660 mil pessoas nessa faixa etária já receberam ao menos uma dose desde maio no país. O Chile testemunhou uma queda considerável de infecções nas últimas semanas, e registrou somente 435 casos novos nesta segunda-feira. O país acumula um total de 1,6 milhão de casos confirmados e mais de 37 mil mortes de Covid-19. VÍDEOS: novidades sobre as vacinas contra a Covid-19
Categorias: Notícias de RSS

Parkinson: pacientes desconhecem técnicas para andar com mais segurança

ter, 14/09/2021 - 06:01

Estudo da Academia Americana de Neurologia mostra que as chamadas estratégias de compensação não têm a divulgação necessária Há algumas técnicas para auxiliar pessoas com Doença de Parkinson que enfrentam dificuldades para andar. No entanto, estudo publicado semana passada na revista científica “Neurology”, da Academia Americana de Neurologia, mostra que a maioria desconhece a existência dessas práticas. “Sabemos que os pacientes com Parkinson intuitivamente criam mecanismos para superar suas limitações, com o objetivo de garantir sua mobilidade e independência. Entretanto, muitos não recebem informações sobre as estratégias de compensação que existem para esse quadro”, afirmou a médica Anouk Tosserams, autora do trabalho. Pacientes com Doença de Parkinson desconhecem que há estratégias para auxiliar quem enfrenta dificuldades para andar Steve Buissinne para Pixabay Os pesquisadores entrevistaram 4.324 indivíduos com Parkinson e algum comprometimento, como falta de equilíbrio, andar arrastando os pés ou travar repentinamente, o temido congelamento. Entre os participantes, 35% relataram que as dificuldades de deslocamento interferiam nas atividades do dia a dia; 52% tinham tido uma ou mais quedas no ano anterior. Em seguida, foram apresentadas as estratégias de compensação. Embora todos recorressem a algum tipo de adaptação para caminhar, 17% nunca tinham ouvido falar de qualquer técnica que pudesse ajudá-los e 23% não tinham experimentado nenhuma delas. Apenas 4% tinham conhecimento das chamadas sete estratégias, que passo a descrever aqui, lembrando que sua experimentação e adoção devem que ser discutidas com o médico e vão depender do estágio da enfermidade. A primeira é se valer de uma “pista” ou “deixa” interna para ter consciência do movimento – por exemplo, seguir uma contagem dentro da cabeça. A segunda é a “pista” externa, como se deslocar no ritmo de um metrônomo (aparelho que, através de pulsos de duração regular, indica um andamento musical). Terceira: criar um padrão de marcha distinto, como pisar forte em cada passada. Quarta: incrementar a ação a partir da observação, assistindo a outra pessoa caminhar. Quinta: treinar movimentos diferentes, como pular ou andar de costas. Sexta: exercitar as pernas de outra forma, pedalando ou engatinhando. Sétima: atuar no quadro mental e emocional através de técnicas de relaxamento. O grande desafio é que o que antes era natural e automático se torna algo que tem que ser reaprendido. No Brasil, estudos avaliaram que o treino com pistas visuais, feito com marcadores no solo, parece ter efeito positivo, uma vez que se torna eficaz na regulação do comprimento do passo. O treinamento de marcha em esteira também tem se mostrado eficiente, de acordo com levantamento de pesquisadores do Hospital Albert Einstein.
Categorias: Notícias de RSS

Voo orbital x suborbital: entenda as diferenças da viagem da SpaceX para as de Bezos e Branson

ter, 14/09/2021 - 06:00

Empresa de Elon Musk pretende enviar a primeira tripulação totalmente civil à órbita da Terra na quarta-feira (15). Missão é mais ambiciosa do que os voos da Blue Origin e da Virgin Galactic. Lançamento do foguete Falcon 9, da SpaceX, em 23 de abril de 2021 Joe Skipper/Reuters O voo espacial que a SpaceX pretende realizar nesta quarta-feira (15) se difere do que foi feito nos últimos meses pelos bilionários Jeff Bezos (Blue Origin) e Richard Branson (Virgin Galactic). Enquanto as viagens anteriores tinham escala suborbital, a missão da SpaceX, do bilionário Elon Musk, deve alcançar a órbita terrestre e dar voltas em torno do planeta. Jeff Bezos ou Elon Musk: a decisão que leva a Nasa aos tribunais Elon Musk, Jeff Bezos, Richard Branson: os multimilionários que disputam a nova corrida espacial O objetivo é realizar o feito na missão Inspiration4, que será a primeira com tripulação totalmente civil a orbitar a Terra. De forma resumida, a diferença entre os tipos de voos está na trajetória realizada pelas aeronaves. É o que explicou o astrofísico do Centro Universitário FEI, Cassio Barbosa, em reportagem do G1, em julho. "Enquanto no voo orbital a nave consegue circular a Terra, ou seja, partir e retornar à atmosfera a partir de um mesmo ponto, o voo suborbital não tem velocidade para completar essa trajetória, então a nave sobe até um ponto máximo e depois cai em queda livre de volta à Terra", afirmou Barbosa. Entenda a diferença entre voo orbital e voo suborbital G1 Um voo suborbital é parecido com o arremesso de uma bola de basquete em direção à cesta. A cápsula em que estão os tripulantes atinge uma altitude máxima e, em seguida, retorna ao solo em uma trajetória parecida. Entenda o voo suborbital em vídeo O que a ida de Bezos ao espaço e um arremesso de basquete tem em comum No voo orbital, que será realizado pela SpaceX, a nave alcança uma velocidade bem superior e consegue se manter por algum tempo na órbita da Terra. A queda ao solo é mais lenta e ocorre durante essa trajetória em torno do planeta. O voo da SpaceX exigirá uma velocidade muito mais elevada. A Blue Origin e a Virgin Galactic chegaram a 3.700 km/h em seus voos suborbitais. A empresa de Musk, por sua vez, pretende alcançar 27.358 km/h, segundo a agência Reuters. A meta equivale a 22 vezes a velocidade do som. Sonha em ser um turista espacial? Veja o que as empresas planejam Steve Wozniak, cofundador da Apple, cria empresa no ramo espacial Altitude O voo da SpaceX precisa atingir uma altitude bem superior à alcançada nas missões das outras duas empresas. A viagem de Jeff Bezos ultrapassou a Linha de Kármán, que fica a 100 km acima do nível do mar – limite convencionado para definir o início do espaço. Já a missão com Richard Branson alcançou 89 km. Apesar de ter ficado abaixo da Linha de Kármán, o voo ultrapassou os 80 km, considerados pela Nasa e pelo Exército dos Estados Unidos como barreira espacial. O foguete da empresa de Elon Musk tem altitude alvo de 575 quilômetros, acima das órbitas da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) e do telescópio espacial Hubble. Tripulantes da missão Inspiration4 em frente ao foguete Falcon 9 Inspiration4/John Kraus Treinamento Os quatro tripulantes da Inspiration4 realizaram treinamento durante vários meses, segundo a agência AFP. Esta etapa incluiu a experiência de força G em uma centrífuga – um braço gigante que gira em alta velocidade. O grupo também realizou voos parabólicos para experimentar a falta de gravidade por alguns segundos e uma caminhada na neve em grande altitude no Monte Rainier, no noroeste dos EUA. Durante a missão, eles terão o sono, a frequência cardíaca, o sangue e as habilidades cognitivas examinadas. Os tripulantes passarão por testes antes e depois do voo como parte de um estudo do impacto da viagem em seus organismos. O objetivo é acumular dados para outras missões com passageiros civis. Relembre a viagem espacial de Jeff Bezos no YouTube do G1
Categorias: Notícias de RSS